Descubra o que é o Fator “R” na Contabilidade!

É muito importante saber o que é o fator “R” na contabilidade. Isso porque envolve mudanças nas regras de transição de regime tributário. E, se você é dono de um pequeno negócio, pode ser ainda mais afetado.

Por isso, saber o que é o fator “R” no setor financeiro e as suas consequências é essencial. Afinal, existe uma série de fatores que devem influenciar nesse cálculo.

Neste artigo, você vai aprender o que é o fator “R” na contabilidade. Além disso, verá como funciona o cálculo e como ele deve ser feito. Por fim, veja qual é a importância desse fator para as diversas empresas e ocupações.

 fator "R" na contabilidade

O que é o fator “R” na contabilidade?

Para quem não sabe o que é o fator “R” na contabilidade, é preciso ficar atento. Ele diz respeito às empresas que estão enquadradas no Simples Nacional.

O fator “R” representa um cálculo que é feito sobre o faturamento total de uma empresa. Através dele, é possível saber se a empresa será tributada de acordo com o anexo III ou V do Simples Nacional.

Atividades como fisioterapia, arquitetura e urbanismo, jornalismo, medicina, enfermagem, psicologia, empresas montadoras, perícia e agenciamento serão sujeitas ao fator “R”.

Vale lembrar que essas são apenas algumas das atividades, sendo que existe uma lista muito mais extensa. Justamente por isso, microempreendedores e donos de pequenos negócios devem ficar atentos.

Já que o fator “R” também depende da ocupação, pode haver chances de pagar menos impostos. Viu como saber o que é o fator “R” na contabilidade é importante? A seguir, você verá mais detalhes sobre ele.

LEIA  O que é o EFD-Reinf?

Como calcular o fator “R”?

Depois de saber o que é o fator “R” na contabilidade, é preciso aprender a calcular.

Segundo os parágrafos § 5-J e 5-M do Art.18 da Lei Complementar N°123, o cálculo se dará da seguinte maneira: quando a razão entre as folhas de pagamento dos último e a receita bruta da pessoa jurídica, ambas dos últimos 12 meses, for igual ou superior a 28%, a empresa será tributada no anexo III.

Caso esse valor seja inferior, ela continuará sendo tributada segundo o anexo V. Vale lembrar, mais uma vez, que a atividade econômica exercida influencia na tributação.

Esse cálculo pode ser representado a partir da seguinte fórmula:

  • Fator R < 28% = Anexo V
  • Fator R 28% = Anexo III

Agora, para calcular, de fato o valor do fator “R”, você precisará estar com a folha de pagamento e a receita bruta em mãos. Nessa conta, entram salários, pró-labore e FGTS. Tudo equivalente aos 12 meses anteriores.

Com isso em mãos, você deve substituir os valores na seguinte equação: Fator “R” = Folha de pagamento + Pró-labore / Receita Bruta. Depois, basta analisar o resultado e comparar com os 28% ou 0,28 do fator.

Entrando no anexo III, a empresa deve pagar menos impostos, já que a porcentagem da alíquota é menor. Da mesma maneira, as empresas enquadradas no anexo V vão pagar uma porcentagem maior.

 fator "R" na contabilidade

Qual é a importância do fator “R”?

Um dos principais pontos de usar o fator “R” é não só fazer uma tributação mais adequada, mas também incentivar o emprego. Assim, o governo pode utilizá-lo como medida para melhorar a economia.

Isso porque quanto maior for a folha de pagamento, maiores são as chances de pagar menos impostos. Logo, haverá uma tentativa maior de investir no aumento da folha de pagamento. Um benefício para todos.

LEIA  O que eu preciso ter para me destacar como um profissional da área fiscal

CTA - fator "R" na contabilidade

Conclusão

Portanto, agora você já sabe o que é o fator “R” na contabilidade. Continue sempre por dentro dessas alterações, pois pode fazer a diferença na sua empresa.

Nos acompanhe também em nossas redes sociais:  Facebook | Linkedin | Instagram | Youtube

Postado em Cliente FinalTagged , , , ,