Desligamento de um sócio: Saiba como funciona o processo?

Olá! Neste post falaremos sobre como funciona o desligamento de um sócio em uma sociedade limitada. Esse talvez seja um assunto que lhe interessa ou poderá lhe interessar no futuro, caso você seja um empreendedor. 

Como funciona o desligamento de um sócio de uma sociedade limitada

Imaginemos o seguinte: A e B são sócios. Dentro dessa sociedade, quando montaram a empresa, fizeram um contrato social no qual colocaram uma série de informações pra criá-lo como, por exemplo, o nome da empresa,  endereço e outras muitas informações.

cta-educação e franchise

Os sócios descobriram que, ao abrir a empresa e ao fazerem suas contas, precisavam investir cem mil reais, dos quais setenta mil foram colocados pelo o sócio A e trinta mil reais o sócio B, gerando um capital social de cem mil reais.

Isso quer dizer que, primeiro, como B colocou trinta mil reais, ele tem 30% do capital social dessa empresa. No dia em que B decidir desligar-se por qualquer motivo, ele deve de alguma forma se entender com A pra tal desligamento.

Como o desligamento de um sócio funciona?

A primeira observação que precisa ser feita é que, além do capital social, no contrato social da empresa deve existir uma regra que determina como funciona o desligamento. Nesse caso, o primeiro passo é a conferir.

Independentemente do desligando concordar ou não com a regra de desligamento que consta no contrato social, o processo deverá ser baseado nela, pois os sócios a aprovaram no ato de assinatura do mesmo.

A regra mais comumente utilizada diz o seguinte: quando um dos sócios quer se desligar, deve, primeiro, avisar o outro com certa antecedência, ou se houver outros sócios, deve avisar todos com uma média de trinta dias de antecedência.

LEIA  Vai abrir uma empresa? Saiba por onde começar

Voltando ao exemplo, o sócio B deve avisar o sócio A trinta dias antes de se desligar definitivamente da sociedade. E aqui entra a questão financeira.

Obviamente o sócio B vai querer de alguma maneira receber os seus direitos, neste caso, os 30% do negócio.

A regra mais comum – isso deve estar escrito no contrato social – diz que, primeiro o sócio B deve receber 30% do patrimônio líquido e não do capital social: ambos são coisas diferentes. Capital social é o dinheiro que foi colocado lá atrás, quando os sócios abriram a empresa.

O patrimônio líquido é uma imagem, um dado não real de uma situação hipotética: se os sócios vendessem tudo o que a empresa tem, como estoque, máquinas e equipamentos, e recebessem tudo o que tinham para receber, enfim, se todos os bens e direitos da empresa fossem transformados em dinheiro e do outro lado, se todas as obrigações da empresa fossem pagas como esse dinheiro, o que sobrasse seria o patrimônio líquido.

Apesar do capital ser cem mil reais, pode ser que o patrimônio seja de dez mil reais, ou então dez milhões de reais; pode ser que falte dinheiro, dependendo da conta que for feita. O mais comum é que no contrato social esteja explicitado que o sócio B tem direito a receber 30% deste patrimônio líquido.

No contrato social também deve constar como esse dinheiro será repassado. Nesse caso, a regra mais comum é que, no dia que um sócio quiser se desligar da empresa, este deve avisar os demais com um mês de antecedência. Eles irão fazer um balanço especial pra essa ocasião: nele, vão apurar o patrimônio líquido e irão pagar 30% dele Costuma-se colocar como prazo doze parcelas mensais para o pagamento da parte que cabe ao sócio que está se desligando.

LEIA  Pró-labore e encargos: conheça sobre o salário do administrador

Uma segunda hipótese

Uma segunda hipótese: o sócio B falou para os demais sócios que queria se desligar, porém um terceiro, que ainda não é sócio da empresa, decidiu comprar a sua parte da sociedade. Ele ofereceu ao sócio B, por exemplo, cem mil reais pelos 30%.

desligamento de um sócio

Comumente, os sócios não autorizam a venda de uma parte da sociedade sem que antes hes seja oferecida, a fim de manter a condição de igualdade. Nesse caso, a preferência é dos sócios.

Caso eles comprem a cota do sócio B por cem mil reais, estará resolvido o problema e o terceiro não entra na sociedade.

No entanto, se os sócios oferecem um valor abaixo do que o sócio desligante quer,  o sócio B tem o direito de vender para o terceiro por cem mil.

É importante ressaltar que cada contrato tem um cuidado e claro que há toda uma negociação que deve ser conversada. O que falamos aqui é em linhas gerais. 

Síntese

O contrato social rege a condição de desligamento do sócio, passivo de consulta. Como padrão o sócio recebe a sua porcentagem da cota sobre o patrimônio líquido.

Como padrão, também, caso o sócio receba uma oferta de venda, por via de regra, ele deve dar prioridade aos sócios que já estão na empresa para comprar a sua parte em condições de igualdade das ofertas de venda que tiver.

Espero que tenham entendido um pouco mais sobre como funciona o desligamento de um sócio em uma sociedade limitada. Fique atento para nossos próximos posts!

Gostou ou tem algum sugestão para nos dar? Deixa um comentário abaixo.

Postado em Societário