Planejamento logístico eficiente. Você sabe como realizar?

No post de hoje, vamos abordar o planejamento logístico de seu negócio. Esta análise prosseguirá no post seguinte e serão ambos baseados na experiência de Alessandro Micelli, sócio-fundador da Orquestra Grupo, consultoria especializada em gestão empresarial.

Planejamento logístico - estoque

Contudo, repare que antes de abordarmos diretamente o planejamento logístico, o que será feito no post seguinte; precisaremos focar em questões mais ligadas à estratégia e gestão, como base para essa discussão.

Planejamento: sustentação, estratégia e construção de modelo

Vejamos então. O fato é que esse planejamento logístico é importante sob três prismas/cenários: de sustentação do negócio, da estratégia do negócio e de construção do modelo de negócio.

Para ilustrá-los, vamos usar o exemplo de Deusmar Queiroz, com seu empreendimento Pague Menos. A empresa partiu de Fortaleza, Ceará, foi para o Rio Grande do Norte, ocupou o Nordeste e depois seguiu para o Sul e se espalhou pelo Brasil.

Para concretizar toda essa estratégia ousada, o empresário precisaria entender o seu modelo de negócio e conhecer bem o que leva à sustentação desse negócio. Sem falar na cultura da organização, em primeira instância. Conhecer bem os valores e fazer com que as pessoas os sigam é fundamental para se alcançar a estratégia almejada.

Um outro pilar extremamente importante é a estratégia propriamente dita. Traçar uma estratégia de médio e longo prazo é fundamental para se garantir o sucesso sustentável de um negócio. Olhar até mesmo para o curto prazo, dependendo do cenário atual, se faz fundamental.

O discurso de vários executivos que dizem que hoje, diante da força do cenário econômico, não se faz importante traçar uma estratégia, e até não haveria nem como se traçar uma estratégia, é falso. O que se deve fazer é traçar essa estratégia e determinar o que será vital para seu planejamento logístico; porém quando necessário adaptá-la para a realidade, de acordo com o cenário econômico.

Planejamento logístico - farmácia pague menos

O terceiro grande pilar de sustentação de um negócio é a inovação. A inovação virou um mantra, virou uma palavra de ordem para grandes empresas, porque permite que grandes ganhos sejam conseguidos de uma forma rápida.

LEIA  Preciso mesmo contratar uma contabilidade para abrir minha empresa?

Fazer com que esses três pilares trabalhem de forma alinhada é fundamental para o sucesso de um negócio.

Compreenda ainda que a cultura foca no curto prazo; estratégia, no médio e longo prazo; e a inovação, na diferenciação. Saber trabalhar bem esses três elementos com focos distintos é mais que necessário.

Pessoas, processos e gestão

Mas isso ainda não é o suficiente. Vejamos outros três elementos que se encaixam nessa engrenagem em prol do nosso planejamento logístico.

O primeiro é o foco nas pessoas, elas são tudo numa organização. Assim, cultivá-las bem, capacitá-las e prover a competência é sinônimo de entrega de valor ao cliente. Então não dá para se falar em alcançar uma estratégia, cumprir uma missão, buscar inovação, sem trabalhar fortemente as pessoas e fazer com que elas realmente compreendam seu papel dentro da organização.

Planejamento logístico - meeting

O segundo ponto são os processos, também fundamentais. Porque sem eles não há disciplina de execução. O livro “Execução”, de Ram Charam, fala exatamente sobre isso: há empresas que acabaram quebrando justamente porque não conseguiram executar bem as suas atividades, não conseguiram entender bem o que era importante na entrega para o cliente, e tiveram descolamento entre aquilo que almejavam e o que elas praticaram.

Então o processo é fundamental e segue a mesma lógica das pessoas; não dá para se pensar numa cultura de resultado, numa estratégia de médio e longo prazo, sem processo.

E o terceiro elemento, importantíssimo como os outros, é a gestão. A palavra é curta e simples, porém o impacto é gigantesco. Sem gestão não dá para trabalhar e nem pensar em absolutamente nada. Não dá para se melhorar processo, prover competências,  pensar numa missão e numa cultura engajadora, criar uma estratégia vencedora e muito menos se pensar numa cultura de inovação que seja permanente, que seja perene na organização.

Esses três pilares, associados aos outros três elementos, são o que leva ao sucesso da organização.

Seguramente a Pague Menos soube entender muito bem tudo aquilo que era importante para o negócio dela, e assim conseguiu pensar nesse crescimento retratado por Deusmar Queiroz.

LEIA  Gerenciamento de tempo: faça em prol dos seus objetivos

Estratégia: formular, planejar, alinhar, executar e monitorar

Saindo um pouco do cenário de sustentação, vamos ao vértice da estratégia. Entenda o quanto é importante seguir alguns passos na construção e gestão de uma boa estratégia.

O primeiro passo é a formulação, ponto fundamental que passa por entender os cenários internos e externos. Precisamos entender as forças, fraquezas, oportunidades e ameaças; e precisamos construir um modelo de negócio. Tal modelo precisa tomar por base todos os aspectos importantes para a sua execução.

O passo seguinte à formulação é o planejamento. Muitas pessoas confundem planejamento com formulação. Planejamento é traçar objetivos, metas, indicadores, iniciativas. Diferentemente da formulação, que é o ponto de partida.

Para que se possa planejar bem, faz-se necessário entender aonde se quer chegar, o que se quer alcançar, ter um alinhamento muito forte com a visão da organização. Após esse planejamento, o alinhamento da organização se da com a estratégia. O que significa que para comunicar bem essa estratégia, todos precisam compreendê-la. Todos precisam se engajar na estratégia, desdobrá-la. Será que as estratégias departamentais estão alinhadas à estratégia da organização? Esse desdobramento se faz necessário.

planejamento logístico - estratégia

Assim, outro ponto importantíssimo é o alinhamento da organização. Será que se faz necessário criar uma área nova? Ou desfazer uma área existente?  É preciso checar ainda o provimento de competências. As competências necessárias para o alcance da estratégia estão bem estabelecidas? O que precisa ser feito? O que precisa ser melhorado em termos de competência? Então esse ponto de fato se faz necessário: o alinhamento da organização com a estratégia.

Assim, cabe alinhar as operações com as estratégias, ou seja, definir, aprimorar e gerenciar processos críticos que, em muitos casos, nem são conhecidos. Gerenciar as iniciativas estratégicas referentes aos projetos da organização também é vital. Isso passa por definir e implementar indicadores operacionais que irão alinhar os planos estratégicos e operacionais.

O passo seguinte se dá em torno da execução. Ela é o ponto mais nevrálgico de todo o modelo da gestão da estratégia. É importante destacar que mais de 90% das empresas falham na execução da estratégia. Isso porque não conseguem iniciar o ciclo da forma correta: não conseguem estabelecer mecanismos de gestão, de governança da estratégia e acabam falhando em um ou outro, ou em vários pontos deste modelo.

LEIA  Como superar uma crise

Mas há um momento em que temos que monitorar a estratégia. Tipicamente o mercado conduz a questão por meio de reuniões de análise  estratégica. Por meio disso, verificamos o quanto a estratégia está sendo alcançada, o quanto ela está sendo cumprida e o quanto ela está sendo fiscalizada – ou seja, estamos indo para um caminho, a organização está indo para outro, o mercado está dizendo uma outra coisa. Nesse momento do monitoramento é importante se assegurar que se compreendem todos esses elementos e resultados que acontecem nas apurações.

E por último há o aprendizado, particularmente da estratégia. Ele pode ser baseado em um evento externo à empresa. Por exemplo, para uma empresa de aviação, a mudança de preço no barril do petróleo pode ser motivo da revisão na estratégia, de aprendizado e de adaptação dessa estratégia.

Revisando a estratégia e o planejamento logístico

Deste modo, todo esse ciclo ou modelo da estratégia voltada ao planejamento logístico é iniciado pela boa formulação, seguimos no planejamento, prosseguimos no alinhamento da organização à estratégia, alinhamos as operações da estratégia, executa-se aquilo que foi planejado, monitoram-se os resultados daquilo que foi planejado e por fim, revisamos, adaptamos, e se necessário, mudamos substancialmente.

Note que o plano operacional é oriundo do alinhamento organizacional com as operações e seus resultados. Tudo isso irá alimentar as reuniões de análise da estratégia, ou seja, o monitoramento. Repare ainda que é importante haver o alinhamento entre o plano operacional e o plano estratégico e juntos com o plano de execução.

Por hoje é isso. Devidamente munidos destes conceitos essenciais  de gestão e estratégia, no próximo post estudaremos mais especificamente os tópicos de planejamento logístico, como disponibilidade, preços e relacionamento.

Acompanhe também em nosso Linkedin

Postado em Estratégia, Operacional