Tudo sobre o empreendedorismo digital no Brasil – Parte 1

Começamos hoje uma série de dois posts sobre o cenário do empreendedorismo digital brasileiro e as vantagens e desafios para quem quer empreender na internet.

Por que alguém montaria uma startup no Brasil hoje?

O nosso mercado pode não ser o mais fácil, desenvolvido e sofisticado do mundo, mas é muito grande. O Brasil tem uma população de 200 milhões de pessoas, e mais de 50% delas têm acesso à internet.

Isso nos transforma em um dos mercados mais atraentes do mundo, com grande potencial de crescimento. Para se ter uma ideia desta dimensão, o mercado brasileiro é do tamanho de todos os mercados dos outros países da América do Sul combinados.

empreendedorismo digital

Uma breve história do empreendedorismo digital

Para começar a análise, é preciso falar sobre as primeiras startups online do Brasil, que surgiram nos anos 90. Entre elas estão o Zick e o Cadê, posteriormente vendidas para o Star Mídia e depois para o Yahoo, e o UOL, hoje o maior portal do Brasil. Também há a Aquam, empresa de tecnologia de buscadores fundada em Belo Horizonte e que foi a primeira aquisição do Google no Brasil.

No ano 2000 ocorreu o estouro da bolha da internet e os investimentos para empresas online sumiram. Entre 2000 e 2007 houve um hiato no empreendedorismo digital no país, onde pouca coisa relevante aconteceu.

Foi a crise econômica de 2008 que permitiu o renascimento das startups digitais nacionais. Várias empresas quebraram no mundo todo, em especial nos Estados Unidos, mas o Brasil passou quase ileso por esta crise. É desta época a capa do jornal The Economist com a manchete “Brazil Takes Off”.

LEIA  Gestão ineficiente da empresa

empreendedorismo digital

Esta capa ajudou a colocar o Brasil de volta sob os holofotes, e assim começamos a atrair novamente o investidor internacional. A inspiração brasileira para o renascimento do empreendedorismo digital veio com o sucesso do Buscapé, empresa fundada no final dos anos 90 e que em 2009 foi vendida para o grupo Naspers por mais de 300 milhões de dólares.

A partir de então nasceu uma nova geração de empresas de internet que começaram a oferecer novos produtos e serviços para o consumidor brasileiro. Entre as empresas que seguiram os passos do Buscapé e são grande sucesso no mercado brasileiro estão a Movile, a Samba Tech e o Scoop.

Entre 2009 e 2012, com esse bom humor no mercado de investimentos, começou uma nova “corrida do ouro” na área de empreendimentos digitais. Vários negócios que eram extremamente populares nos Estados Unidos começaram a ser clonados e lançados com adaptações no mercado brasileiro. Como exemplos temos:

  • Dafiti: a maior loja de calçados do mercado brasileiro foi inspirada no modelo da Amazon Bazarpos, o Brends Club, um clube de compras relâmpago que inclusive veio a quebrar.
  • Peixe Urbano: uma das startups mais emblemáticas e case importantíssimo, trouxe um modelo internacional para o Brasil e viu rápido crescimento. Com a crise do mercado das compras coletivas, a empresa enfrentou alguns desafios, mas se restabeleceu e em 2014 foi vendida para o Badoo, que é o Google da China.

Após este “ataque dos clones” e de toda a euforia e excitação do investidor internacional com o mercado nacional, houve uma desaceleração. Novamente o The Economist dedicou a capa ao Brasil, mas desta vez com a manchete pessimista “Has Brazil blown it?”

empreendedorismo digital

O cenário atual

Mas, afinal, o Brasil estragou tudo?

Apesar da situação complicada do país, ainda há potencial para o Brasil ser uma grande potência em startups de internet. O mercado é gigantesco, e ainda há 100 milhões de pessoas no país que não estão conectadas. Se o Brasil tivesse a mesma proporção de internautas dos Estados Unidos hoje, haveria 170 milhões de usuários de internet no país.

LEIA  Como funcionam as franquias de Contabilidade

empreendedorismo digital

Isso significa que nos próximos anos dezenas de milhões de pessoas vão entrar na internet e começar a consumir. Mesmo com o cenário duvidoso, este é um dos melhores momentos da história para começar uma empresa de internet.

Inclusive, várias empresas estão se sobressaindo, crescendo e sendo referências desta geração pós 2008. Algumas destas empresas são o Nubank, que vale algumas centenas de milhões de reais, e o Hotel Urbano.

Em linhas gerais, falamos dos problemas, dos desafios, da oportunidade, mas há também vantagens intrínsecas do mercado brasileiro:

  • O brasileiro é conectado, assiste a algo enquanto mexe no Facebook, usa o Twitter e engaja em outras redes sociais. O brasileiro é o povo mais conectado do mundo: isto é fato.
  • O e-commerce está crescendo, embora não tão rápido quanto em 2009 e 2010, mas segue tendo cada vez mais compras e mais transações pela internet.

Nossa análise para por aqui. Na próxima semana falaremos mais sobre os desafios do empreendedor digital brasileiro, e daremos também algumas dicas para quem quer se aventurar nos negócios online.

Postado em Empreendedorismo, Tecnologia