Resiliência: como tirar proveito do fracasso

Olá! O post de hoje fala sobre a resiliência: como tirar proveito do fracasso.

Esse texto é inspirado em um grande empreendedor, uma pessoa que tem uma resiliência acima da média: o Thai. Ele é dotado de grande resiliência, pois é um homem que sobreviveu do comunismo, trabalhou de forma forçada, e veio para o Brasil ganhando apenas US$50,00.

Thai conseguiu construir uma empresa que foi destruída por um incêndio e por isso, é uma pessoa que entende que tudo pode ter um reinício, mas que todo reinício pode ser feito de uma maneira muito melhor do que o anterior.

Devemos entender que podemos lucrar com o fracasso, com as adversidades: existe sim um bônus perante isso. E quando se entende isso, a vida fica muito mais simples.

Um dos grandes pesquisadores norte-americanos, que fez a maior pesquisa até hoje sobre empreendedorismo, Napoleon Hill, pesquisou mais de 16 mil pessoas que tinham resultados acima da média.

Ele tentou ver quais eram as competências, quais eram as habilidades que essas pessoas tinham no seu cotidiano. Em 1928, ele publicou o livro A Lei do Triunfo, no qual destacou claramente que, para se ter resultados, uma das competências é ser resiliente, é tirar proveito do fracasso.

Em uma das definições que Napoleon Hill aborda em sua pesquisa é : “O que é tirar proveito do fracasso? É a capacidade de adaptação perante as mudanças e conflitos para superar com tranquilidade os desafios cotidianos”. Ou seja, mudanças.

Muitas pessoas têm medo da mudança, pois nem sempre temos 100% de domínio dela. Acontece que, quando se tem o sufixo –ança, da língua portuguesa, abordamos a ideia de “algo melhor. Mudança: mudar para algo melhor. Por exemplo: esperar algo melhor: esperança; criar algo melhor: criança.

LEIA  Marca nova ou marca consolidada no mercado? Qual escolher na abertura da sua franquia?

Ou seja, a mudança é salutar, porém, para que ela possa ser positiva é preciso saber utilizá-la a favor.

Persistência no aproveitamento de fracassos

Thomas Edison foi um dos maiores inventores que se têm notícias do mundo. Em um de seus laboratórios havia muitos cadernos de anotações. Esses cadernos serviam para Thommas descrever seus erros na intenção de não mais repeti-los, quando estava tentando inventar a lâmpada.

Após mais de dez mil tentativas, longe do pensamento de desistir, Thomas percebeu que deveria apenas extinguir o oxigênio dentro do cubo. A primeira lâmpada teve uma duração de 02 horas e meia. Após esse acontecimento, houve um processo de inovação da lâmpada, não mais da criação.

proveito do fracasso (3)

Jonas Salk, outro exemplo de tirar proveito do fracasso, tentou cultivar de várias maneiras o vírus da poliomielite. Ele queria cultivar esse vírus para poder inventar a própria vacina. Depois de muito tempo, Salk percebeu que o tecido do cérebro do macaco servia para que pudesse ter a invenção da vacina da poliomielite. Portanto, a adversidade existe, mas é preciso saber perseverar.

Segundo Thomas Edison, “um grande homem está sempre disposto a ser pequeno. Quando ele se senta sob uma almofada de vantagens, ele dorme. Quando ele é pressionado, atormentado, derrotado, tem a chance de aprender alguma coisa. Ele fica ajuizado, másculo e realista; aprende com sua ignorância, fica curado da loucura da vaidade, tem moderação e muita habilidade”.

Isto quer dizer que experiências são capazes de fazer entender a derrota de maneira positiva; elas são capazes de tornar o indivíduo maduro, fazendo com que se consiga entender positivamente determinadas situações, a fim de potencializar os resultados.

LEIA  Exclusão do Simples Nacional e MEI - Entenda como acontece

Os pontos Críticos

Um dos pontos críticos que nos exige compreensão perante a resiliência consiste no pensamento de que a derrota nunca é um fracasso desde que se tenha aceitado como tal. As pessoas fracassadas são direcionadas ao pensamento de que são vítimas, e isto induz muitas pessoas, no momento da adversidade, a colocar a culpa no mundo, ou na própria vida, tendo em vista os resultados insatisfatórios.

Outras pessoas, como o próprio Thai, no momento da adversidade, estando em um país do qual não entendia a língua, além de inúmeras outras adversidades, fez a diferença: soube modificar a sua realidade.

Como é possível ter as adversidades como algo positivo? Segundo Napoleon Hill, “todo fracasso traz consigo semente de um sucesso equivalente ou maior”. Isso nos leva a entender que todo fracasso traz esperança, algo para se cultivar: não há benefício pronto.

A partir do momento em que se entende o que é essa semente, é possível potencializar e buscar o lado oposto dos resultados insatisfatórios; é possível haver resultados realmente acima da média.

Porém, tudo isso nos obriga entender, no momento da adversidade, qual a semente que a vida está oferecendo para, potencializando-a, obter resultados acima da média.

Experiências

Segundo uma consultora de cursos da Fundação Napoleon Hill, na Faculdade de San Diego na Califórnia, para um empreendedor poder ser considerado uma pessoa madura; uma pessoa realmente que tenha credibilidade para poder assumir novos projetos, deve ter ao menos fracassado duas vezes em dois projetos importantes. Isso demonstra que fracassou e iniciou; fracassou e iniciou. Significa que ele passa a ter maturidade.

Essa pessoa passa a entender que desafios servem para serem superados. E, no mundo corporativo, deve-se entender que desafios existem diariamente. Ao se entregar aos desafios, o indivíduo acabar por entregar seus próprios resultados.

LEIA  O que é preciso para abrir uma empresa?

Levando toda essa experiência em consideração, Thai, em 2010, chegou a faturar mais de R$50 milhões. Em 2011 houve um grande incêndio na sua fábrica, que levou muitas pessoas, inclusive funcionários, a dizer que “acabou”. Contudo, Thai resolveu recomeçar. Desta vez fazendo melhor do que antes.

Quando ele iniciou seu recomeço, entendeu que poderia terceirizar algumas funções da fábrica, a fim de focar no que realmente acreditava ser mais importante: os designs, que constituía a parte do marketing.

proveito do fracasso (2)

Conclui-se que, ao se observar o comportamento de alguém que perdeu integralmente uma empresa e recomeça positivamente, tal indivíduo conseguiu enxergar uma semente positiva em detrimento de uma tragédia. Thai conseguiu tirar proveito do [possível] fracasso.

Gostou do post? Comente algo. E aguarde que virão novos post em continuação dessa motivação, a fim de te ajudar a tirar proveito dos fracassos.

Postado em Empreendedorismo