Regime de competência e de caixa: entenda as diferenças

Você já ouviu falar de regime de caixa e de competência? Sabe qual dos dois deve ser utilizado em sua empresa e qual é a diferença entre um e outro método? O primeiro passo para entendê-la é saber que existe diferença entre a questão contábil, que precisa do regime de competência, e a questão financeira, baseada no regime de caixa. Com isso claro, vamos ver no post de hoje os principais pontos desses dois regimes e como eles devem ser utilizados em seu dia a dia. Acompanhe!

Regime de competência

O regime de competência é baseado em um princípio de contabilidade e seu uso é obrigatório para todas as empresas. É ele que deve ser escolhido para reconhecimento de despesas e receitas.

Assim, uma venda a prazo, mesmo que sem o devido recebimento, já deve ser registrada no mês em que foi efetuada. Da mesma forma, uma despesa como um seguro, por exemplo, deve ser reconhecido de acordo com seus períodos contábeis. Se tiver vigência de um ano, por exemplo, seu valor deverá ser reconhecido mensalmente durante este período, independente de pagamento à vista ou a prazo.

A Demonstração do Resultado do Exercício (DRE), que irá apurar o lucro ou prejuízo do período de uma empresa, é totalmente baseada no regime de competência, utilizando entre outros conceitos a depreciação, ou seja, a perda do valor econômico dos bens, que deve ser reconhecida de acordo com sua vida útil.

Regime de caixa

O regime de caixa, diferentemente do regime de competência, só ira reconhecer os valores quando eles efetivamente saírem ou entrarem na forma de caixa — ou equivalente-caixa — na empresa. Nesse caso, não há reconhecimento, por exemplo, da depreciação.

LEIA  Como deve ser a fusão de duas empresas?

O regime de caixa é utilizado para a elaboração de fluxo de caixa — a movimentação de entradas e saídas de recursos — e também para a Demonstração de Fluxo de Caixa (DFC), uma demonstração contábil mais ampla e complexa que demonstra todos os fluxos de caixa da empresa de maneira estruturada e padronizada.

A DFC também é importante pois faz a ligação entre o contábil, ou seja, o regime de competência, e a questão financeira, o regime de caixa. A partir da DFC, por exemplo, é possível compreender que a empresa pode ter uma receita alta sem o devido retorno financeiro, uma vez que as vendas podem ter sido feitas a prazo e o dinheiro só entrará no futuro.

Regime de competência e de caixa na gestão

É muito importante entender a diferença entre o regime de competência e o regime de caixa, uma vez que o primeiro é necessário sob o ponto de vista legal e o segundo, sob o ponto de vista financeiro. Mas também é necessário entender como se dá a integração dos dois regimes e gerenciá-la com cuidado, pois não se pode contar com valores que ainda não foram recebidos nem ignorar valores como a depreciação, que não está presente no regime de caixa, mas impacta no resultado e auxilia o controle dos bens da empresa quando reconhecida no regime de competência.

Assim, o regime de competência e de caixa, apesar de terem suas diferenças, são ambos importantes para a empresa e devem ser trabalhados em conjunto para atingir os melhoes resultados. Conseguiu entender como os dois funcionam? Ficou alguma dúvida? Deixe seu comentário!

Postado em AdministrativoTagged , ,