Quanto custa a contratação de um novo funcionário?

Contratar funcionários sob o regime da CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas) de fato significa ter que pagar um valor significativamente mais alto do que o salário mensal do colaborador. Segundo a CLT, esse tipo de empregado tem outros direitos além do salário, como férias, 13º salário, pagamento de transporte e alimentação.

Tudo isso faz com o que o gasto mensal que a empresa tem com um funcionário chegue a um valor bem mais alto do que sua remuneração, e você deve ter isso em mente ao elaborar o orçamento quando decidir efetuar a contratação de um novo colaborador.

Neste artigo, vamos esclarecer quais direitos a empresa deve pagar ao funcionário além do salário e mostrar quanto cada nova contratação pode custar ao bolso do empregador. Continue lendo!

FGTS

O FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) é um direito que o trabalhador possui que o protege quando é demitido sem justa causa. Todo mês a empresa deve depositar na Caixa Econômica Federal, em uma conta que é aberta para o funcionário, o valor referente a 8% do salário de cada colaborador.

O valor do FGTS deve ser depositado também quando há pagamento de férias, 13º salário e aviso prévio trabalhado.

INSS

Esse também é um direito do funcionário. Porém, nesse caso, uma parte é paga pela empresa (20% sobre o valor do salário) e a outra é paga pelo funcionário (a alíquota varia de acordo com a faixa salarial).

O pagamento desse benefício dá direito a pensões no caso de afastamento do trabalho, além da aposentadoria ao final de um período determinado.

13º salário

É o pagamento que deve ser feito anualmente, referente a um salário do funcionário. Normalmente são pagos em duas parcelas: uma até o final de novembro e a outra até o dia 20 de dezembro.

LEIA  Fluxo de caixa - A matemática ao seu favor

Vale lembrar que, caso o trabalhador solicite, o pagamento referente à primeira parcela poderá ser efetuado junto ao pagamento das férias.

Férias remuneradas

A cada ano trabalhado, o funcionário tem direito a 30 dias de descanso, que são pagos pela empresa. No valor que é pago a ele, é preciso incluir 1/3 do salário (referente ao abono constitucional).

Por lei, o colaborador pode optar por tirar apenas 20 dias de descanso e receber o valor referente aos 10 dias restantes.

Vale-transporte

O vale-transporte é um benefício que a empresa paga ao início de cada mês para que o funcionário possa ir e voltar do trabalho. O valor pago deve ser baseado no valor das passagens das conduções que o funcionário utiliza para se deslocar.

Lembrando que o desconto na renda do empregado não pode ser superior a 6% de seu salário, ou seja, caso o valor das passagens seja superior a esse valor, a diferença é paga pela empresa.

Aviso prévio

Caso o empregado seja demitido sem justa causa, a empresa pode solicitar que ele trabalhe os 30 dias seguintes ou optar por pagar o valor do aviso prévio.

Quando o empregador opta por pagar o aviso, o valor é correspondente ao salário do colaborador, férias e 13º proporcionais, além de ter que pagar uma multa referente a 40% sobre o valor do FGTS.

Hora Extra

A extensão da jornada ou o trabalho em dias que não estão previstos em contrato não são obrigação do funcionário. Isso significa que, caso seja necessário trabalhar mais horas no mês do que o que foi acordado, deve-se pagar hora extra.

O valor referente a essas horas não deve ser inferior a 50% a mais do que o valor da hora normal. Ou seja, se o funcionário recebe R$ 10 por hora trabalhada, em caso de hora extra ela passa a valer, no mínimo, R$ 15.

LEIA  Como fazer o fluxo de caixa da minha empresa?

Adicional noturno

Caso a jornada de trabalho do empregado esteja entre as 22h e 5h, ele tem direito ao valor de adicional noturno acrescido em seu salário. O valor a ser acrescentado é de pelo menos 20% do salário normal.

 

Os pagamentos que citamos aqui se referem apenas aos benefícios básicos aos quais o empregado tem direito, mas existem empresas que optam ainda por oferecer vantagens como convênio médico, convênio odontológico, vale-alimentação, vale-cultura e/ou cesta básica.

Normalmente, é descontado um valor mensal do salário do funcionário, mas é importante saber que a maior parte é paga pela empresa como uma estratégia para garantir maior qualidade de vida aos colaboradores e, assim, reter talentos e diminuir o turnover.

Existem formas de enquadramento tributário diferenciados, como o Simples Nacional, que podem trazer redução em parte dos custos acima elencados. Para uma correta avaliação, procure uma contabilidade ou um profissional contábil.

Qual é o valor que os seus funcionários custam para a sua empresa? Você oferece algum benefício além dos que foram citados? Comente e participe da discussão!

Postado em Financeiro, Recursos HumanosTagged , , , ,